quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

ONE CITY


E BUM... o S. Jorge encheu como provavelmente não enchia há muito tempo. Foi a estreia do "One city" do Nicolau Von Rupp, um filme documentário que mais uma vez veio "quebrar" com o que se costuma fazer por cá. Sim, tem surfistas a falar mas não com aquela dicção terrivel a que estamos habituados e também para variar estão a dizer algo interessante. A fotografia do filme está muito bonita e o filme bem encadeado. São 20 e poucos minutos que passam rápido e quando isso acontece é sempre bom sinal. Bom sinal é também quando vemos 900 pessoas a irem ao S. Jorge verem um filme do surf e esgotarem os bilhetes, não é normal isso acontecer nem mesmo aquando da realização do SAL, o que é uma pena. Não nos podemos esquecer que atrás de um grande surfista, ou está uma grande mulher (que aposto que está) ou um grande manager que fez isto tudo andar para a frente. Neste caso sei que o Miguel Moura tem a responsabilidade de ter enchido o S. Jorge, congrats bro!! Espero sinceramente que este documentário seja um abre olhos aos surfistas e aos video makers. Nós queremos histórias e bem contadas!! Pessoal já não há saco para clips de surf com música por baixo e voz off que apetece desligar na hora, entendam isso por favor :) Parabéns ao Nic, aos realizadores e ao Miguel Moura. pic: roubada ao Nic

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

ADEUS SACA

Após 7 anos a correr a primeira liga do campeonato do mundo de surf, parece que chegou a hora do Saca se retirar, ou de não se conseguir requalificar. Foram de certeza 7 anos de uma intensidade que nem nos deve passar pela cabeça. Criticado por uns, amado por outros, uma coisa é certa, o Saca abriu a porta de um caminho que provavelmente nenhum português vai conseguir percorrer nos anos mais próximos. Talvez me engane e o Kikas, o Vasco e o Nicolau o vão percorrer mais cedo do que esperamos, mas... Eu fui dos que critiquei o surf do Saca várias vezes, irritava-me ver ondas com cutbacks do principio ao fim, irritava-me que ele não tentasse evoluir mais, que não tivesse um surf mais progressivo em certas ocasiões. Irritava-me principalmente quando ele tinhas aquelas atitudes de fazer manguitos e mandar vir com toda a gente, quando afinal de contas eu só o queria a ver dar o litro dentro de água. Criticas à parte, sempre reconheci e reconheço que ele tem um valor que poucos têm. A tenacidade, a força de vontade dele foram sempre enormes. Levou o nome de Portugal para fora, inspirou surfistas mais novos e mais velhos, fez-nos ficar colados ao ecran do monitor noites a fio. Foi com o Saca que fiz o meu primeiro grande artigo e a primeira capa na Onfire, não fosse ele ter entrado aquele dia na Cave e hoje as coisas poderiam ser bem diferentes. Vou ter saudades de ver a bandeira protuguesa num WCT, mas a verdade é que as prioridades na nossa vida vão-se alterando e acredito que a prioridade do Saca depois de quase 20 anos a competir seja outra. Da minha parte, enquanto fotógrafo e surfista, Obrigado!!

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

A FEIRA POPULAR


Este fim de semana, resolvi dar um pulinho à nova feira Popular. Tinha-a sobrevoado sábado e bateu aquela nostalgia de revisitar um sitio mitico de Lisboa. Até chegar à porta tudo bem, as luzes estavam lá, via-se a roda quase gigante a rodar e o que prometia ser uma noite à antiga revelou-se uma decepção. Decepção não pela noite mas pela feira em si. Há não sei quantos anos desmancharam a Feira Popular, não sei porquê mas devia andar a fazer comichão a alguém ($$$), tudo bem que era um sitio meio javardolas e mal arranjado, mas tinha alegria para dar e vender e era sempre uma boa opção para jantaradas com os amigos. Hoje em dia, acho que só abre no mês de Dezembro e Janeiro, com um terço do tamanho que tinha. As casas que existiam foram todas demolidas e qualquer parecença com o que era é mesmo feito com muito imaginação. Há meia dúzia de carroceis, alguns de antigamente, existe uma barraca para comer, os carrinhos de choque e de resto qualquer feira de aldeola dá um grande baile a esta. É triste porque mataram um espaço que era "nosso" para ali fazerem zero. 300 dias por ano aquilo está ao abandono e para assim ser mais valia continuar como estava. No entanto, há coisas que não mudam, a chungaria continua a comparecer em peso, principalmente nos carrinhos de choque e as pessoas que vendem os bilhetes parece que pararam no tempo e acordaram outra vez com as mesmas roupas e tudo. Fora isso, tudo mudou e para pior. Valeu o teste à nova lente fuji 35mm 1.4 e ter-me lembrado de todos os bons momentos que lá passei. Outra coisa engraçada, foi ter ido com uma miuda de 12 anos que nunca tinha ouvido falar na Feira Popular, ela gostou... Mas não lhe consegui explicar o significado tão grande que aquilo tinha para nós. E é assim, aos poucos vamos perdendo as coisas que tão felizes nos fizeram.

sexta-feira, 28 de novembro de 2014

FLY BIKES BY HUGO ALMEIDA


Mais um grande video do Hugo Almeida com um titulo bem a prpósito. Verão!! Coincidência ou não é para onde vou já amanhã... Em direcção ao verão! Vêmo-nos em breve :)

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

SOARES (NÃO) É FIXE!


Lá vai o tempo em que Soares era fixe. Lá vai o tempo em que festejei a vitória dele contra o Freitas do Amaral, lá vai o tempo em que o via no Algarve e o olhava com admiração. Também não sei bem porque o fazia, talvez por o ter conhecido pessoalmente e nas crianças isso marca sempre. Dando o devido desconto à idade avançada dele, que também tem influência, mas estas declarações são insultuosas para qualquer pessoa que esteja presa e infelizmente sabemos que muitas o estão injustamente. Gostava de saber como é que o senhor Mário Soares, defensor da democracia e dos diretios dos cidadãos vem para a praça púbica envenenar a decisão do juiz e do tribunal. Como é que ele foi autorizado a visitar um preso num dia que não há visitas, dando a desculpa que amanhã vai lançar um livro. Este tipo de coisas não pode acontecer!! Será que o Marocas também tem explicação para a casa do Socrates em paris? para o curso tirado ao Domingo? para a casa da mãe dele? para os 20 milhões depositados na conta do melhor amigo? para o tema mal explicado do freeport? Eu sou daquelas pessoas que defende os amigos até à morte, culpados ou não serão sempre os meus amigos, a única coisa a que me poupo é a fazer figuras tristes como o Soares faz nesta intervenção. Basicamente ficámos a saber que os direitos não iguais para todos os presos, que o Soares está completamente ché ché e que no PS deve tar todo com o rabinho bem apertado. Obrigado Soares, por 20 anos mais tarde me vires mostrar o bandido que também deves ser.

terça-feira, 25 de novembro de 2014

CAÇA AOS HOMENS....


Em vez de andar aqui a dizer mal desta corja... Apenas agradeço ao Juiz por manter o Sócrates de cana e deixo o desejo que seja o primeiro de muitos. Esta tira do "por falar noutra coisa" resume bem o estado de espirito desta turma :) ps: por falar em Sócrates não posso deixar de perguntar... A SIC acha mesmo que fez um grande exclusivo em meter a merda de um carro a passar em loop durante meia hora?? santa paciência...

domingo, 23 de novembro de 2014

TESTING FUJI XT1

Depois de a fuji X100 me ter conquistado com os seus defeitos (auto-focus às vezes impreciso e um foco manual que não existe), eis que dei por mim a flirtar com a Fuji XT1... A filosofia é a mesma, embora tenha a grande vantagem de ter lentes intermutáveis, um auto focus rápido e preciso e uma acessibilidade de menus excelente. Como contra eu tinha apenas o facto do visor ser electrónico, contra esse que ficou de fora quando a experimentei. O visor é incrível e esquecemo-nos rapidamente que é electrónico. A máquina é super leve e é resistente à chuva e está na boa até 10º negativos. A resistência à chuva deixou-me empolgado, adoro fotografar à chuva e embora as minhas máquinas se tenham habituado a umas molhas, nunca se sabe quando vão ficar doentes. Comprei então a XT1 com o kit básico, a 18-135mm. Não é uma lente que me fascine muito pois não sou grande adepto de zoom, mas se queria viajar sem o peso das canon e respectiva 70x200, tinha mesmo de arranjar uma solução em conta (€€) para ter alguma flexibilidade. Testei a máquina nos últimos 4 dias, em pequenos intervalos de tempo livre. Não deu para muito mas deu para perceber que foi um bom investimento. A lente é rápida QB e tem uma boa imagem, a máquina é rápida e dá um grande gozo fotografar com ela, a chuva... bem a chuva não entra mesmo pois fiz questão de testar a vertente anfíbia da máquina e está aprovada. Até aos 3200 ISO o ruído é bastante aceitável, a partir daí aumenta um pouco mas mesmo a 6500 ISo é utilizável. Não acho que tenha tanta qualidade como a 6D, nem que seja tão rápida, mas a filosofia é diferente. A verdade é que não sendo em trabalho, viajar com a canon e respectivo kit de lentes, começa a tornar-se pesado, pouco discreto e nada prático. Tirando as viagens de surf, que é incontornável levar a 6D e a 7D, mais 70x20, 300 2.8 e por aí fora, o que me dá mesmo gozo fotografar é a rua e as suas pessoas. Eu já quase só usava a X100 e embora adore a 23mm 2.0 (equivalente a uma 35mm) às vezes fazia-me falta um pouco mais ou menos de lente. Gosto de passar despercebido, coisa impossível com um corpo canon na mão, mas perfeitamente possível com uma ou duas fuji ao ombro. Aguardo agora a chegada da 35mmm 1.4 (equivalente a uma 53mm) para aumentar um pouco a família Fuji e poder deixar a zoom de lado. Resumindo, a Fuji está na luta com as DSLR e não se deixa vencer facilmente. É uma excelente alternativa para quem está a começar a comprar material ou mesmo para quem esteja disposto a mudar de marca. Eu passei a ter duas malas prontas para partirem, uma mala Canon e uma mala Fuji, sendo certo que em viagens de lazer ou que não tenham a obrigatoriedade de carregar com a 300mm 2.8, dificilmente a mala Canon vai passear tão cedo. Todas as fotografias foram tiradas com a 18-135mm com iso entre 800 e 6400.