quarta-feira, 2 de setembro de 2015

HIPOCRISIA CAMUFLADA


Há já uns bons tempos que ando para escrever sobre este tema. Para mim dos mais hipócritos que pode haver. Não há muito tempo esteve a circular uma campanha "Unchainmee" sobre a libertação dos animais de circo, onde muitos famosos deram a cara. Até aqui nada a dizer, a campanha faz todo o sentido, foi muito bem feita e por acaso até foi um grande amigo meu que a fez, ele que é um verdadeiro defensor dos animais. Mas eu canso-me de dizer, que o circo não é muito diferente de um Zoo Marine ou um jardim zoológico. Usem os argumentos hipócritos que quiserem, mas um tigre, um leão, um elefante, uma girafa e por aí fora nunca deveriam estar presos, porque eles estão presos, num jardim zoológico no centro da cidade. Contra factos não há argumentos!! Os animais estão em cativeiro para fazer dinheiro, nada mais. Todos hão-de concordar que qualquer um destes animais era mais feliz numa reserva natural, certo? Ontem, passei na página do facebook do João Manzarra e li um post dele que passo a citar "Ontem a arrumar fotografias antigas passei por uma que me deixou inquieto. Não pela minha condição anafada que marcou a minha adolescência mas por estar com um sorriso de orelha a orelha por segurar nos braços um golfinho num parque aquático. Compactuei com uma forma camuflada de circo em que nos vendem um falso respeito por um animal selvagem que agoniza em cativeiro. O golfinho é vítima da sua expressão em que parece estar sempre sorridente e da sua inteligência que tanto diverte quem, muitas vezes ingenuamente, assiste. Fui também vítima deste marketing enganoso que gera milhares de euros. Para quem quiser aprofundar esta questão convido a assistir documentários como Blackfish ou The Cove." Tiro o chapéu ao Manzarra, pela coerência, pela frontalidade e por usar a posição que tem para mostrar que devemos manter os nossos valores e convicções independentemente do que as revistas cor de rosa e estações de televisão querem que façamos. Há mesmo uma famosa que diz que ir ao zoomarine é como rever a família, o que me leva crer que passou a infância em prisões. É um mundo estranho este em que vivemos, é um mundo hipócrita onde o que conta é ser famoso, incrivelmente nem sempre pelas melhores razões. Eu faço a minha parte, façam a vossa e não deixem dinheiro nestes parques... querem ver golfinhos vão aos açores, a Tróia ou a outro sitio qualquer onde os vejam felizes e livres.

12 comentários:

Anónimo disse...

Percebo perfeitamente este post e concordo em grande parte, coloco no entanto a questão: não será importante haver um jardim zoológico onde as pessoas possam ter contacto com a diversidade de espécies existentes na Natureza? Correcto que não é no habitat ideal, mas sem esse contacto - principalmente dos mais jovens - como podemos esperar que se crie conhecimento e empatia pela Natureza e pela vida animal?

André carvalho disse...

Claro que é importante, eu diria que um zoo não, mas talvez uma reserva.
Temos um interior desertificado, poderia ser uma solução.
Espaços amplos, fora da cidade, onde pelo menos os animais consigam correr... e sem jaulas.

Laura disse...

Concordo plenamente com a reflexão do Manzarra e em parte com a tua.

No entanto, generalizar os zoológicos a esse princípio é um grande erro, em parte porque os zoos não são todos iguais, seja nas condições em que os animais são mantidos, alimentados ou na possibilidade de interacção entre os animais e os visitantes.
São já diversos os zoológicos construídos sob princípios das reservas naturais (por exemplo o Zoo de Beauval em França), nos quais o espaço disponível, a forma como os alimentos são fornecidos e a organização do espaço permite aos animais frequentar grandes áreas não expostas ao público.

Por outro lado, a maioria das acções de conservação passam pelos principais e melhores zoológicos. É claro que uma reserva natural como o parque Gorongosa seriam uma alternativa muito mais interessante para visitar os animais do que um zoológico por muito grande que seja. Mas é ingénuo achar que a conservação de espécies poderá ser abordada com sucesso apenas nas áreas onde as espécies são autóctones, considerando que a maioria destas áreas são alvo de guerras civis e conflitos territoriais constantes, que ciclicamente destroem o trabalho realizado pelos biólogos, veterinários, guardas e todos os outros que dedicam a sua vida à manutenção destes espaços (o parque Gorongosa permanece aqui um bom exemplo).

Portanto, não será mais benéfico cultivar a mente das pessoas relativamente ao que deve ser um zoo (já que estes "novos zoos" são frequentemente alvo de crítica pelos visitantes pois nem sempre os animais "aparecem" nas áreas visíveis) e trabalhar para que todos os zoos sejam assim, do que fomentar uma aversão generalizada (e injustificada) a estes?

Parece-me ingrato tentar fomentar um ódio generalizado ao "zoológico" quando a maioria da comunidade dedicada à conservação de espécies e ao desenvolvimento de estudos que visam a reintrodução ou manutenção das espécies no meio selvagem precisam deles para desenvolver o seu trabalho (por si só extremamente difícil pela indiferença da maioria das pessoas a estas questões)...


Joana Almeida disse...

Totalmente de acordo

Daniel Miranda disse...

Os parques zoológicos são uma aberração que espero um dia deixe de existir. Não é suficiente mostrar estes mesmos animais no seu habitat natural? A capacidade de produzir e reproduzir imagens, quer estáticas, quer em movimento, que nos mostram o que é verdadeiramente a natureza, são um meio mais do que adequado para dar a conhecer estas espécies animais. De resto, apenas falamos de prisões, que são moralmente injustificáveis.

CAP CRÉUS disse...

Estamos de acordo.
Nada mais a acrescentar.

Imac S. disse...

Os zoos, por muito boas condições que tenham e por muito bem que os animais sejam tratados são sempre prisões onde eles estão condenados à obesidade, depressão e ausência de propósito na vida. Há vários documentário sobre isso que valem a pena ser vistos. Uma solução à semelhança do Badoca Park seria muito mais adequada. Já para não falar daqueles animais que são levados para zoo's de países com climas completamente díspares dos deles, ficando condenados a um sofrimento ao longo de toda a vida com temperaturas extremas (p. ex. os ursos polares). Há animais que só deveriam ser visitados no seu habitat natural e sejamos sinceros não aprendemos nada com um animal em cativeiro porque não é aí que conhecemos a sua verdadeira natureza e o vemos no seu total explendor.

Anónimo disse...

...será mera coincidência a foto ser da " floribela"???

André carvalho disse...

Laura, neste pequeno texto acabei por generalizar os Zoos, é verdade. Infelizmente o que tenho como exemplo é o nosso... Se reunir condições para algumas espécies, que existam!

André carvalho disse...

Anónimo, há coincidências? :)

jose Manuel graça disse...

Olá André
Sou veterinário porque adoro animais, trabalho com animais selvagens e posso te garantir que o que tu falas em relação aos animais selvagens em cativeiro não é assim tão fácil de resolver. Existem muitos problemas, quer de ordem financeira e social que tornam tudo muito difícil. Posso te dizer que existem muitos zoos que recebem animais de circo que vivem em condições miseráveis. Por isso faz-me um favor, não compares os circos com os zoos.
De qualquer maneira , penso que o lugar dos animais é sem sombra de dúvida no seu habitat natural. Isso nem tem questão....

Abraço

André carvalho disse...

OLá Jose Manuel Graça... concordo consigo, mas o zoo marine é um circo, certo ? :)