quinta-feira, 31 de outubro de 2013

O CANHÃO DA NAZARÉ


Ai Nazaré Nazaré… Parece que o teu canhão está a disparar para todos os lados, sem dó nem piedade. É normal, andam a abusar de ti… usam-te e abusam-te. Já pregaste um susto e mais hão-de vir... Já me perguntaram dezenas de vezes o que acho disto tudo, na verdade nem sei bem o que dizer. Aliás, a única coisa que afirmo com toda a certeza é que todos os que lá andam têm umas bolas de aço concerteza!!! Hugo Vau, GMac, Burle, Maya, Cotty, Toni, Ramon e por aí fora… Nesta questão penso que não há dúvidas algumas. Agora a guerra das marcas é outra história, Zon vs Redbull é a discussão do momento, tal e qual dois clubes de futebol a disputarem a 2ª circular. A diferença é que nós surfistas estamo-nos bem a cagar para eles, ou deveríamos estar!! A ZON, não me merece respeito nenhum, sou e sempre fui chulado por eles durante anos enquanto empresa de telecomunicações e não é por de repente meterem uns milhões no G-Mac que me vão merecer respeito algum. Já disse e volto a dizer que o que fazem pelo surf tem como único objectivo auto-promoção e estão muito longe de querer ajudar o surf ou seja lá o que for, querem apanhar a boleia e fazem tudo por isso. O mau trabalho da ZON começa logo no logotipo deprimente do "north Canyon" e acaba na mega produção filmada há dois anos na Nazaré que deixa muito a desejar do ponto de vista cinematográfico. Que ao menos tivessem feito o trabalho de casa como deve ser. Já a Redbull, que actualmente deve ser a maior marca de action sports do mundo, merece o meu respeito pelo que tem feio pelo mundo fora (embora ache que as pessoas do mkt de Portugal têm tanta vocação para a tarefa como o Laird acha que a Maya tem para surfar ondas grandes). A redbull promove centenas de eventos pelo mundo, puxa os limites dos atletas e premeia-os pelos seus feitos. Tem dezenas de atletas patrocinados, tem uma imagem que não há nada a apontar e uma comunicação invejada pelas grandes marcas. Arrisco a dizer que se a Redbull não existisse nesta vertente a maior parte dos action sports estavam vários degraus abaixo do que estão hoje. Depois além das empresas há outras guerrinhas, Laird Hamilton vs Carlos Burle e Maya Gabeira. Mas estas guerras apenas têm a importância que lhes queremos dar. Parece que é obvio que a Maya é totalmente inconsciente, eu pelo menos não tenho dúvidas disso. Uma surfista que em 2 anos apaga duas vezes (embora a primeira no tahiti não seja assumida) não pode ser uma pessoa totalmente consciente. Já me disseram inclusive que nos dias de 1,5mt na praia do Norte ela não conseguia sequer passar a rebentação a remar… Agora aquele discurso da segurança é que já traz água no bico. Quantos limites são ultrapassados exactamente porque há falhas na segurança? muitos diria eu… É preciso também perceber que a ligação do Laird hamilton com o G-mac é bem mais forte que com o Burle, não sei se o Laird se pronunciava contra o G-mac da mesma maneira que fez com o Burle e a Maya. Agora é a opinião dele e acho bem que a dê. Enfim esta novela da Nazaré já mete nojo, parece a do Carrilho e a da Barbara Guimarães. Resumindo, Grandas bombas na Nazaré!!! Grandes tomates de quem lá esteve, grande Tó Mané que mais um ano conseguiu "a foto" do dia, grandes ondas tanto do Burle como do Cotty (que está no seu cantinho e sossegado). E grande Toni Silva e Ramón, que apostaram tudo no "cavalo" de nuestros hermanos e trouxeram imagens assustadoras da costa da morte na Galiza e a disseram bem alto que são inconscientes mas é por vontade própria, não pela vontade das marcas!!! Já para não falar que depois de partir as suas pranchas todas agarrou num bodyboard e foi desbravar uma slab deitado…. RESPECT BRO!!! Por isso, que se fodam as marcas, venham mais ondas grandes que queremos é espectaculo!! :) foto: Tó Mané
The session of the power of Galicia from Samuel Northcoast on Vimeo.

7 comentários:

CAP CRÉUS disse...

E não achas que lá se vai a calmaria da Nazaré?
Uns quantos surf camps, uns prédios para fazer de hostels...

CAP CRÉUS disse...

E agora que vi o vídeo, digo-te uma coisa, mano.
É que nem pensar!
Nem com prancha, nem sem prancha e duvido que com mota de água lá fosse para dentro. :-)

Ricardo Laranjeira disse...

André, sem te conhecer pessoalmente, diria que te conheço há muito tempo tal é a minha afinidade com a tua escrita e os teus pensamentos. Para além do mais sou do surf dos anos 90, tal como tu, e identifico-me ainda mais com as coisas que escreves. Não pares. Grande Abraço e muitas felicidades. És muito bom no que fazes.

André carvalho disse...

Ricardo, obrigado!!! Estamos juntos:)

Marinho... Acho que não, se isso acontecesse ate podia ser bom para a comunidade local, mas aquilo é hardcore, não é para todos!!

Miguel Cardoso disse...
Este comentário foi removido por um gestor do blogue.
Miguel Cardoso disse...

Não deixa de ser engraçado ver um profissional cuspir no prato onde come, sim porque os meios só pagam a quem trabalha para eles, inclusive fotógrafos, se houver quem lá queira "vender" os seus "sabonetes", como é o caso da Zon.

Quanto à Maya, que talvez até nem se lembre, ela por acaso foi dupla no primeiro anúncio em que a Zon apostou no surf como imagem. Foi há uns bons anos num anúncio muito mau, parcialmente filmado em Bali e em que apareciam três surfistas numa montagem em computador a surfar uma onda gigante. Na primeira vez ela bateu no reef e acontece a todos, aliás aconteceu à Keala muito pior na mesma sessão se bem me lembro, e acho que ela, a Keala era capaz de passar a rebentação com 1,5 m. Primeira não, segunda, porque na primeira a Maya foi resgatada pelo Laird também em Teahupo. O que está em causa é menos a qualidade dos surf em ondas pequenas e mais o treino em ondas grandes e sobretudo a preparação física. E por isso aconteceu à Maya, desde o wipeout naquela bomba onde partiu o tornozelo, até chegar à areia, de tornozelo partido, a encher daquela maneira, teria tido certamente um final pior com alguns surfistas de ondas grandes conceituados, e se alguma coisa, se é que alguém pode estar verdadeiramente preparado para aquela situação, e alguns dos melhores morreram em situações menos críticas, a Maya mostrou que estava bem preparada fisicamente pois aguentou quase até á areia. Será que o Greg Long não está preparado? Todos os que morreram em situações menos críticas não estavam preparados? Na minha opinião numa situação destas a preparação conta muito, mas a sorte também.

Sobre as marcas, elas não têm obrigação nenhuma de meter dinheiro em lugar nenhum por preocupação social, cultural, desportiva etc. Será que achas que as marcas de surf metem dinheiro no surf para ajudar o desporto per se? Não, fazem-no por interesse próprio e se isso fizer parte da sua estratégia de marketing, ou seja se acharem que isso as ajuda a posicionarem-se a "vender os seus sabonetes", objetivo primeiro de qualquer marca. O surf é aspiracional e é óbvio que as marcas, mesmo as mainstream, se queiram associar a essa imagem, e não é de hoje, há 40 anos já a Old Spice e a Guiness faziam isso, no caso em anúncios brilhantes em que usaram Pipeline de gala e o lifestyle do surf. O que há, na minha opinião, a criticar a Zon, para além da apropriação abusiva que faz de tudo o que se passa na Nazaré, é que depois do que aconteceu no primeiro e no segundo ano deveriam ter aprendido com os erros e estar a capitalizar muito mais no buzz criado, e nomeadamente em dias com a segunda feira passada deveriam ter um live streaming em condições, um gabinete de imprensa em condições preparado para divulgar as imagens para os meios de comunicação da especialidade e para o main stream, deviam ter câmaras na água, deviam ter a norte da praia uma estrutura elevada para captação de imagens de um ângulo melhor, e até um helicóptero, tudo isto seriam peanuts pagos pela exposição mediática exponencialmente melhor que teriam, e eventualmente até pelas imagens vendidas. Além disto deveriam ter obrigatoriamente um site minimamente decente em termos de design e de funcionalidade.

André carvalho disse...

Olá Miguel, em primeiro lugar não percebo quem está a cuspir onde... Depois não percebo se a critica é ao post se ao laird...

Por fim e saltando, há sim marcas mainstream que fazem coisas em pro do surf. Exemplo disso é a volcom que organiza vários campeonatos de surf e sk8, com inscrições grátis, comida grátis, prémios grátis e dinheiro para os vencedores. Além de viagens...
abraço